in

o emocionante depoimento final de Hal Finney

Entre as muitas datas históricas para o Bitcoin, o dia 11 de janeiro foi a mais recente a ser lembrada. Neste dia, 11 anos atrás, o cientista da computação Hal Finney anunciava a execução de um nó completo do Bitcoin em seu Twitter. Com a mensagem “Running Bitcoin” (rodando o Bitcoin), Finney entraria para a história.

No entanto, outra data marcante foi o dia 19 de março de 2013. Naquela data, através de uma postagem no fórum Bitcointalk, Finney publicou um emocionante relato chamado “Bitcoin e eu“, no qual ele contava sua história com o Bitcoin e revelava para todos que possuía Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), doença que tiraria sua vida pouco mais de um ano depois da postagem.

Esta foi a última postagem do homem que ficou conhecido por receber a primeira transação de Bitcoin da história e que esteve em contato direto com Satoshi Nakamoto, a ponto de ser cogitado por muitos como o verdadeiro criador do Bitcoin. Por isso, resolvemos homenageá-lo novamente e trazer o relato completo traduzido. Sendo assim, confira a tocante história de Hal Finney logo abaixo.

Bitcoin e eu

Pensei em escrever sobre os últimos quatro anos, um momento marcante para Bitcoin e eu.

Para quem não me conhece, sou Hal Finney. Comecei o trabalho com criptografia em uma versão inicial do PGP, trabalhando em estreita colaboração com Phil Zimmermann. Quando Phil decidiu começar a PGP Corporation, eu fui um dos primeiros contratados. Eu trabalhei no PGP até minha aposentadoria. Ao mesmo tempo, me envolvi com os Cypherpunks. Executei o primeiro repostador anônimo baseado em criptografia, entre outras atividades.

Avanço rápido para o final de 2008 e o anúncio do Bitcoin. Percebi que os veteranos da criptografia (eu tinha mais ou menos 50 anos) tendem a ficar cínicos. Eu era mais idealista; sempre amei a criptografia, o mistério e o paradoxo dela.

Quando Satoshi anunciou o Bitcoin na lista de correio de criptografia, ele recebeu uma recepção cética na melhor das hipóteses. Os criptógrafos viram muitos esquemas grandiosos feitos por novatos sem noção. Eles tendem a ter uma reação instintiva.

Eu fui mais positivo. Há muito que me interesso por esquemas de pagamento criptográfico. Além disso, tive a sorte de conhecer e me corresponder extensivamente com Wei Dai e Nick Szabo, reconhecidos por terem criado ideias que seriam realizadas com o Bitcoin. Eu tinha tentado criar minha própria moeda baseada em prova de trabalho, chamada RPOW. Então, achei o Bitcoin fascinante.

Quando Satoshi anunciou o primeiro lançamento do software, eu o peguei imediatamente. Acho que fui a primeira pessoa além de Satoshi a executar o Bitcoin. Eu minerei o bloco 70 e pouco e fui o destinatário da primeira transação de Bitcoin, quando Satoshi me enviou dez bitcoins como teste. Eu mantive uma conversa por e-mail com ele nos próximos dias, relatando principalmente bugs que foram consertados por ele.

Hoje, a verdadeira identidade de Satoshi se tornou um mistério. Mas, na época, pensei que estava lidando com um jovem de ascendência japonesa que era muito inteligente e sincero. Tive a sorte de conhecer muitas pessoas brilhantes ao longo da minha vida, por isso reconheço os sinais.

Depois de alguns dias, o Bitcoin estava funcionando de forma bastante estável, então eu o deixei funcionando. Naqueles dias, a dificuldade era 1 e era possível encontrar blocos com uma CPU – nem mesmo era preciso uma GPU. Eu minerei vários quarteirões nos próximos dias. Mas desliguei o software porque fazia meu computador esquentar e o barulho do ventilador me incomodava. Em retrospecto, eu gostaria de ter continuado por mais tempo, mas, por outro lado, tive uma sorte extraordinária de estar lá no começo. É uma daquelas coisas meio cheias e meio vazias.

Ouvi falar novamente sobre o Bitcoin no final de 2010, quando fiquei surpreso ao descobrir que ele não apenas ainda estava funcionando, como os bitcoins realmente tinham valor monetário. Tirei a minha carteira velha do pó e fiquei aliviado ao descobrir que meus bitcoins ainda estavam lá. À medida que o preço subia, transferi as moedas para uma carteira offline, onde espero que eles tenham algum valor para meus herdeiros.

Por falar em herdeiros, tive uma surpresa em 2009, quando de repente fui diagnosticado com uma doença fatal. Eu estava na melhor forma da minha vida no começo daquele ano, perdi muito peso e comecei a correr. Eu corria várias meias maratonas e estava começando a treinar para uma maratona completa. Eu corri mais de 20 milhas, e pensei que estava tudo pronto. Foi quando tudo deu errado.

Meu corpo começou a falhar. Minha fala começou a enrolar, perdi força nas mãos e minhas pernas demoraram a se recuperar. Em agosto de 2009, recebi o diagnóstico de Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), também chamada de doença de Lou Gehrig, em homenagem ao famoso jogador de beisebol que a recebeu.

A ELA é uma doença que mata os neurônios motores, que transmitem sinais do cérebro para os músculos. Causa primeiro fraqueza e depois paralisia gradual, geralmente é fatal em 2 a 5 anos. Meus sintomas foram leves no início e continuei a trabalhar, mas problemas com a minha voz e fadiga me fizeram parar no início de 2011. Desde então, a doença continuou sua progressão inexorável.

Hoje estou essencialmente paralisado. Recebo alimentação através de um tubo, e minha respiração é conduzida através de outro tubo. Eu opero o computador usando um sistema de rastreamento ocular comercial. Ele também tem um sintetizador de fala, então essa é a minha voz agora. Passo o dia inteiro na minha cadeira de rodas elétrica. Eu criei uma interface usando um arduino para poder ajustar a posição da minha cadeira de rodas usando os olhos.

Foi um ajuste severo, mas minha vida não é tão ruim. Ainda consigo ler, ouvir música, assistir TV e filmes. Descobri recentemente que posso escrever códigos. Nisso estou muito lento, provavelmente 50 vezes mais lento do que eu era antes. Mas ainda adoro programar e isso me dá um objetivo. Atualmente, estou trabalhando em algo sugerido por Mike Hearn, usando os recursos de segurança de processadores modernos, projetados para suportar “Trusted Computing”, para fortalecer as carteiras de Bitcoin. Está quase pronto para lançamento. Eu só tenho que fazer a documentação.

E, claro, as variações de preço do Bitcoin são divertidas para mim. Eu tenho a pele no jogo. Mas consegui meus bitcoins por sorte, com pouco crédito para mim. Eu sobrevivi à quebra de 2011. Então já vi isso antes. Assim como o preço cai, ele também sobe.

Essa é a minha história. Eu tenho muita sorte no geral. Mesmo com a ELA, minha vida é muito gratificante. Mas minha expectativa de vida é limitada. Essas discussões sobre como herdar seus bitcoins são, para mim, mais do que um interesse acadêmico. Meus bitcoins estão armazenados em nosso cofre e meu filho e minha filha são especialistas em tecnologia. Eu acho que eles estão seguros o suficiente. Estou confortável com o meu legado.

Leia também: Bitcoin para Iniciantes

What do you think?

0 points
Upvote Downvote

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

Comments

0 comments

Conheça cinco pessoas que dizem ser autoras do whitepaper do Bitcoin

Bitcoin Bomba Enquanto Baixas Taxas de Juros Aumentam Dívida Corporativa – BeInCrypto